Nunca nada está morto

Sob a lírica da mineira Adélia Prado, a Hiato lançou esse ano mais uma edição do Edital Carne Fresca e recebeu 22 inscrições. Diversas em suas pesquisas e linguagens, as propostas tinham em comum a investigação de um deslocado verso literário, cujas relações imediatas se estabelecem num território distante da arte visual. Porém, numa leitura sensível e atenta, torna-se possível assimilar e aproximar as imagens da poetisa ao universo artístico vislumbrado pelo Carne Fresca: "o que parece vivo, aduba / o que parece estático espera".

Assim, percebendo ligações em procedimentos e discursos ora distantes, a Hiato compôs a banca de seleção do edital com três artistas locais, que apesar de trabalharem em frentes diferentes, dialogam no espaço artístico. Professor e diretor do Instituto de Artes e Design da UFJF, Ricardo Cristofaro, encontrou-se com o artista Eduardo Borges, e com o coordenador da Hiato, Petrillo. Juntos os três definiram 13 nomes que deverão integrar a coletiva aberta no dia 18 de maio, às 20h, na Hiato.
 
Analisadas atentamente, algumas das propostas ganharam pequenas observações da banca de seleção, a fim de estabelecerem maior conexão com o restante dos trabalhos e se adequarem ao espaço físico da galeria. Os 13 artistas serão comunicados e deverão entregar as obras, impreterivelmente, até o dia 12 de maio.
 
Veja a lista dos selecionados (em ordem alfabética):
Ana Luisa Affonso
Camila Rezende
Cipriano
Filipe Matias
Frederico Lopes
Gabriel Patrocínio
Guilherme Melich
Gustavo Machado
Jefferson Steinner e Julia Milward
Letícia Vitral
Lilian Medeiros
Pedro Salim
Rodrigo Souza e Silva
 
A Hiato Ambiente de Arte parabeniza os selecionados e agradece a participação de todos os inscritos, esperando poder contar com todos numa próxima oportunidade.